quinta-feira, 7 de agosto de 2008

CONGRESSO NACIONAL REJEITA ABORTO!

BRASÍLIA, 11 de julho de 2008 (LifeSiteNews.com) — Dois projetos de lei para descriminalizar o aborto no Brasil foram derrotados pela terceira vez em semanas recentes, no que pode ser o golpe final para uma legislação sob consideração por mais de 17 anos no Congresso Nacional.
A derrota mais recente ocorreu na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados, numa votação esmagadora de 30 a 4 depois que o relator da comissão, Eduardo Cunha, rejeitou a legislação em 26 de junho.
O direito à vida constitui o valor supremo da Constituição, pois todos os outros direitos dele derivam”, disse Cunha na época, observando que não se pode abolir o direito à vida nem mesmo através de emenda constitucional.
O debate subseqüente na comissão provocou uma reação carregada de paixão por parte dos deputados pró-vida, que constituíam a maioria esmagadora.
O Dep. Carlos William trouxe um caixão de bebê e duas bonecas para ilustrar sua posição, e citou versículos da Bíblia. Dep. Miguel Martini e Dep. Luiz Bassuma trouxeram fotos do tamanho de pôsteres de crianças em gestação assassinadas por meio de aborto.
Depois de um breve período de discussão, a comissão votou a favor de uma moção para encerrar o debate e realizar a votação, irando os ativistas pró-aborto, que protestavam fora do prédio.
De acordo com o Jornal do Comércio, o projeto de lei será permanentemente arquivado sem nenhuma votação especial para levá-lo a plenário. “Esse projeto de lei não prosperará na Câmara”, disse Cunha.
A decisão ocorreu depois de uma rejeição anterior na Comissão de Seguridade Social e Família, que rejeitou a legislação em 7 de maio. A votação foi 33 a 0 depois que uma pequena minoria pró-aborto saiu em protesto.
A firme posição pró-vida da Câmara dos Deputados reflete a vontade da maioria dos brasileiros que, de acordo com as pesquisas, estão mais opostos do que nunca à legalização do aborto.
Depois que a CNBB lançou uma campanha pró-vida nacional no começo deste ano, os brasileiros opostos à legalização do aborto aumentaram de 63% para 68%.
Uma recente enquete online realizada pelo jornal liberal O Globo também resultou numa maioria clara contra os projetos de lei de descriminalização do aborto. Os leitores pró-vida expressaram abertamente opiniões contra a legislação em declarações publicadas pelo jornal em seu site.
Expressando incredulidade com a idéia, avançada por grupos pró-aborto, de que a descriminalização do aborto reduzirá o número de abortos, um leitor escreveu: “Pense antes de falar! Uma mulher pode decidir o que fazer com seu corpo, sim! Ao fazer isso, ela só não pode interferir com outra vida. Liberar a prática para reduzi-la? Isso não faz sentido! Proíba e processe para diminuí-la. Cumpra a lei!
Outro leitor escreveu: “O aborto é uma atitude fraca que denota irresponsabilidade. É fugir das conseqüências das próprias ações. E, para os outros casos, há apoio legal para a questão. É inconcebível aceitar o aborto como um jeito de compensar pelos erros cometidos”.
O aborto é atualmente descriminalizado no Brasil em casos de estupro e para salvar a vida da mãe.
Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com/

Nenhum comentário: